Su & Je

As aventuras de uma família de imigrantes vivendo no Canadá

Archive for novembro \25\UTC 2009

Le processus migratoire

Posted by Jeison em 25 de novembro de 2009

Nos forums que acompanho, saiu um texto que achei muito interessante, e fui atrás da fonte.

É um artigo que saiu na ACSM Montréal – Association Canadienne pour la Santé Mentale – Filiale de Montréal

Clique aqui para visualizar o artigo no site da ACSM

Abaixo, segue o artigo na integra

Le processus migratoire

Le processus migratoire

Le processus migratoire
Équilibre en tête. Vol 13, no 3

Ce texte a été rédigé à partir de la conférence-forum donnée par M. Joël Fronteau, psychologue et formateur en relations interculturelles, dans le cadre des activités du programme ethnoculturel de l’ACSM-Montréal, le 3 février 1999.

Le processus migratoire n’est pas le même pour les réfugiés et les immigrants ; cet exposé fera l’état de celui des immigrants. Selon M. Fronteau, le processus migratoire peut se comprendre à partir de quatre principales étapes : Avant le départ, Entre-deux, Arrivée et Adaptation.

1. Avant le départ
L’étape « Avant le départ » débute à partir du moment où l’individu a décidé de migrer. Durant cette période, l’individu devra franchir cinq phases. Tout d’abord, prendre la décision de migrer. Lors de cette étape préliminaire, l’individu s’informe de façon spécifique sur le pays d’accueil. Puis, c’est la préparation du départ. À ce moment, les démarches administratives sont entreprises auprès du pays d’accueil. Ensuite, arrive la période de détachement où l’individu doit se défaire de certaines choses affectives, matérielles et émotives. Parallèlement, un détachement psychologique débute. La personne doit penser à la transmission de son héritage affectif sont les objets qui ont pour elle des valeurs affectives. Suivant le détachement, c’est l’anticipation où la personne attend impatiemment ce que lui réserve l’avenir, un peu comme le « Rêve de l’Eldorado ». Finalement, il y a le renoncement. C’est le moment où l’individu doit renoncer à ses acquis professionnels, à son statut social et miser sur l’avenir. C’est un pari sur lui-même. C’est repartir à zéro et reconstruire.

Pendant le petit laps de temps précédant le départ, l’individu fait le plein de culture. Il amasse des souvenirs (des sons, des couleurs, des images, des odeurs…), qui vont lui servir à se rappeler de son pays d’origine. Plus tard, il va les récupérer pour s’en faire une nouvelle structure. C’est aussi le temps où certains migrants, les Chinois et les Africains par exemple, vont vivre des rituels de séparation avec leur communauté. Souvent, ils seront investis d’une mission ou d’un mandant créant ainsi des obligations.

« Partir, c’est mourir un peu, c’est une sorte de suicide psychosocial », a indiqué M. Fronteau. Lorsque le départ devient imminent, il y a un sentiment d’urgence ; la dernière nuit, cette dernière chose à faire, ce dernier téléphone… Le processus de deuil est amorcé. Le départ n’a pas le même impact psychologique selon qu’on soit seul ou accompagné, mais il est souvent marqué soit par un sentiment d’anxiété, d’exultation ou un peu des deux.

2. Entre-deux
Cette période pourrait être nommée le « no man’s land » ou « entre l’ici et l’ailleurs ». Il s’agit de l’intervalle entre le départ du pays d’origine et l’arrivée au pays d’accueil et sa durée varie. Souvent, cette période se vit dans l’avion ; c’est le moment où l’individu fait le vide dans sa tête et réalise qu’il vient d’effectuer la première séparation réelle : le premier deuil de l’immigrant. C’est l’émergence du sentiment de nostalgie, de solitude ou l’imagination du futur immédiat.

3. Arrivée
L’arrivée correspond à la période de temps nécessaire pour la réadaptation biologique de l’individu à son nouvel environnement (horaire, air, eau, etc.). Pendant cette étape, la personne vit des sentiments d’ambiguïté, elle est fatiguée et excitée, voire euphorique, par tout un bombardement d’impressions nouvelles et de premiers éblouissements. Les chocs culturels s’accumulent. L’individu fait ses premières constatations, vit certaines désillusions et stéréotype la culture du pays d’accueil. Cette phase est caractérisée par l’ouverture de la personne à échanger sur sa culture et à faire des observations authentiques et spontanées sur la culture d’accueil, car les remparts ne sont pas encore érigés. C’est le moment privilégié pour les organismes communautaires d’apprendre à connaître la culture de l’autre et de partager sa propre culture.

4. Adaptation
Au coeur du processus d’adaptation, il y a la notion d’identité ; ce que j’ai été, ce que je suis… Cette période, qui n’est jamais terminée, débute par un choc. L’individu réalise que certaines tâches de la vie quotidienne doivent être réapprises. Pour expliciter cette réalité, M. Fronteau nous a demandé d’écrire notre nom. Par la suite, il nous a demandé de l’écrire à nouveau de l’autre main. De la première main, l’écriture a été automatique, tandis qu’avec la deuxième main, nous devions nous appliquer et réfléchir pour y arriver. Il en est ainsi pour l’immigrant. La simple exécution de tâches quotidiennes, jusque-là automatique, devient laborieuse et pénible et peut nécessiter un nouvel apprentissage. Toutefois, cela peut l’amener à prendre conscience de sa propre façon de faire.

Passant rapidement de la période de découverte au plaisir d’identifier des nouvelles façons de faire, d’apprendre des nouvelles choses, de satisfaire sa curiosité par rapport au nouveau pays, au repliement, où l’individu fait le point par rapport à ses nouvelles connaissances et acquisitions, l’individu est saturé et ressent une grande fatigue culturelle. Il a besoin de repos et de solitude afin de décanter, de digérer et de refaire le plein d’énergie.

Les débuts de l’adaptation sont difficiles, car l’individu réalise la nécessité d’échanger avec les membres de la nouvelle culture pour s’adapter et, en même temps, il est fatigué d’apprendre de nouvelles choses. Cette lutte intérieure rend cette étape particulièrement éprouvante.

Par la suite, les nouveaux acquis vont être soupesés par rapport aux comportements antérieurs. Certaines personnes vont s’adapter en développant une sphère privée (ancienne façon de faire), et une sphère publique (nouvelle façon de faire). D’autres vont passer par une période de révolte, où elles vont transgresser les comportements traditionnels du pays natal, aussi bien que ceux du pays d’accueil. Cette phase de l’adaptation dure quelques mois. Par la suite, si la migration se vit bien, l’individu va s’adapter, se bâtir un vécu historique, une mémoire dans son pays d’accueil. Lorsque j’ai un passé, je peux envisager un avenir.

Anúncios

Posted in Canadá | Etiquetado: , | 11 Comments »

Mapa do Crime de Montréal

Posted by Jeison em 16 de novembro de 2009

Esses dias, lendo alguns blogs que acompanho, vi noticiado o mapa do crime em Montréal. É uma publicação do “The Gazette” do dia 27 de Outubro muito interessante, e dá para se ter uma ideia de como anda o crime na ilha de Montréal.

Abaixo segue o link para o mapa interativo, basta clicar no tipo de crime que deseja ver, e ele mostra separado por região.

Por curiosidade, pretendemos morar em Ahuntsic-Cartierville (10-27-28)

TheGazette

Mapa Interativo - The Gazette

Posted in Canadá, Utilidades | Etiquetado: , | 1 Comment »

Processo por Québec – Documentação do Federal

Posted by Jeison em 8 de novembro de 2009

Bom, dando continuidade a série de posts que escrevi sobre a preparação da documentação necessária para a abertura do processo por Québec, vou falar agora sobre a parte Federal do processo.

Bom, como todos devem saber, após a obtenção do CSQ (Certificat de Sélection du Québec), que para a maioria dos mortais se dá no momento da entrevista, o próximo passo é apresentar este CSQ junto com alguns documentos e formulários ao Consulado do Canadá, para agora sim, solicitar o visto na categoria imigração.

Então, como acabei de dizer, o CSQ é o documento mais importante que vai precisar para dar continuidade ao processo. Ele é emitido em duas vias e cada membro da familia recebe o seu. A primeira via é a ser utilizada para abrir o federal como dizemos, e a segunda via é a sua cópia de segurança, e também é a via que apresentara ao oficial de imigração ao desembarcar no Canadá.

Nos baseamos em muita informação para a abertura da parte federal, mas umas das principais fontes, foi um excelente blog de um casal amigo nosso que fez o seguinte post: Passei na entrevista! E agora?
Além desta fonte maravilhosa de informações, utilizamos claro, os documentos oficiais do governo do Canadá. Volto a frisar, sempre, mas sempre mesmo, além de olhar as informações que nós publicamos aqui, com o intuito de facilitar a vida, sempre olhe com muito carinho, todos os PDF’s e Guides que o governo disponibiliza.

Utilizamos dois PDF’s neste caso, são eles:
FQ7.pdf – “Demande de résidence permanente au Canada / Guide pour les travailleurs qualifiés du Québec”
F37134.pdf – “Guide à l’intention des travailleurs qualifiés Instructions spécifiques du bureau des visas São Paulo”

O primeiro é geral, fala de como efetuar a solicitação de visto, das taxas de abertura, dos requisitos médicos e legais, links e endereços, da forma correta de preencher os formulários, etc.
O segundo é uma espécie de check list, onde há três colunas a direita, “F” – Federal, “P” – Provincial e “Q” – Candidatos de Québec, essa que devemos prestar atenção, e em cada linha onde houver essa coluna “Q”, observar se aplica-se ao seu caso. Há também o endereço do consulado em São Paulo e o formato correto das fotografias.

Bom, vou deixar a leitura dos PDF’s livre para vocês.

No PDF diz que devemos enviar cópias autenticadas dos documentos e se os mesmos não estiverem nem em inglês nem em francês deverão acompanhar uma tradução certificada.
Bom, este é um tema que tem gerado muita polêmica nos forums e afins, pois uns dizem que mandaram como pedem por precaução, outros dizem que entraram em contato com o consulado e o consulado diz que não é necessário nada disso, e para outros diz que precisa, enfim, não há nada muito certo.
Nós enviamos apenas cópias simples e não mandamos tradução alguma. Ah, mas foi contra o que diz o formulário, sim, fui contra, mas apostei na formula mais barata, como alguns disseram que foram aceitos assim, assim o fiz. Recebemos uma carta dizendo que o processo foi aberto e até agora não recebemos mais nenhuma correspondência. Pelo que acompanho, o pior caso, poderá ser que eles solicitem novos documentos autenticados ou traduzidos, não iremos perder a taxa de abertura nem nada assim, no máximo perder tempo, mas em compensação, se for tudo aprovado, iremos economizar uma bela grana.
Os antecedentes criminais, também enviei só os que peguei pela internet.

Amigos, eu comecei este post, com a intenção de detalhar passo a passo o preenchimento dos formulários, falar de cada campo, etc… Mas nossos amigos do Tensão Pré-Montréal fizeram isto tão bem (estava relendo agora), que se eu tentasse fazer o mesmo seria uma ofensa, se eu copiasse e colasse aqui seria plágio, então, vou terminar este post apenas recomendando que leiam o post Passei na entrevista! E agora? que eles publicaram, e qualquer dúvida estamos aqui para nos ajudarmos, e se eles nos autorizarem, colamos o post deles aqui com os devidos créditos !

Bon, c’est tout!!

À bientôt

Posted in Canadá, Utilidades | Etiquetado: , , , | 12 Comments »

Você tem um lugar no Québec – Parte II

Posted by Jeison em 6 de novembro de 2009

Bom,

Eu fui lá no tal debate referente ao convite do Bureau de Immigration du Québec(BIQ) que recebemos (vide post: Você tem um lugar no Québec).

Bom, cheguei um pouco cedo, foi na Aliança Francesa perto da Praça da República, e de cara já fomos informados que teria um atraso, bom tudo bem, fiquei esperando e depois o pessoal conhecido foi chegando e ficamos todos conversando no Hall de entrada.

Não consegui informação sobre a bolsa de CAD$ 1.500,00 para estudar na Aliança, pois a pessoa que cuidava disso estava aplicando a prova do DELF e na saída ela estava em horário de almoço !!! GRRRRRRRR Mas estou com o e-mail e telefone dela, segunda-feira eu ligo.

Bom, a apresentação começou com a palavra de uma mulher, que me esqueci o nome agora, que representava a universidade de tecnologia de Québec, que falou algumas coisas, falou dos cursos, da cidade… Tudo em francês, muito claro e fácil de entender, consegui entender perfeitamente uns 85% a 90% de tudo que foi dito, o resto é porque faltou um pouco de vocabulário.

Depois veio um senhor, representando a universidade de Québec a Trois-Rivière, e o protocolo foi basicamente o mesmo, universidade, cursos, cidade e perguntas. Dessa vez tiveram umas duas ou três perguntas, o povo já foi perdendo a timidez…
Com um sotaque um pouquinho diferente, mas também consegui captar uns 90%, ueba !!!

Pierre Arcand

Pierre Arcand


Depois de uma pausa rápida, veio a Soraia Tandel, que é representante do BIQ em SP, falando em português, se desculpou pelo atraso do ministro que estava na Marginal, etc etc etc, mas logo trocou para o francês também e chamou o Ministro de Relações Internacionais do Québec, Sr Pierre Arcand. Muito polido, com um francês muito fácil de entender também, assim como os nossos políticos, falando com uma velocidade de tartaruga impressionante, o que facilitou a compreensão. Bom, como todo político, ele falou algumas coisas sobre o interesse do Québec por imigrantes, depois falou que era deputado e fez uma pequena campanha política para ele, e abriu para perguntas, que foram três, a Soraia se ofereceu para traduzir quem quisesse fazer perguntas em português, perguntaram em português porque tanto interesse especificamente por Brasileiros, e ele disse sobre a facilidade de integração na sociedade quebequense, que os últimos estudos mostraram que a comunidade Brasileira no Québec tem sido um sucesso !! Eba !! Tiveram outras duas perguntas que não me lembro agora… Logo ele agradeceu, saiu do palco e sentou na primeira fileira, mas o secretário dele já veio em seguida e o levou embora, enfim, mesmo com pouco tempo, achei muito interessante um ministro sair lá do Canadá e vir ao Brasil e dirigir a palavra à uns 50 futuros imigrantes !!

Teve também a Diretora de imigração Internacional – Sylvie Proulx, que não achei foto para postar aqui, ela já falava muito rápido e com um “R” muuuuito carregado, mas também consegui entender uns 80%, essa parte foi mais um manualzinho seguido por um power-point falando das coisas que temos que fazer quando chegar lá, das coisas que temos que fazer antes de sair daqui, dos prazos de validade de cada documento, de como obter a cidadania, o cartão de residente permanente, o do seguro saúde, etc…
No fim, foi aberto novamente a perguntas, ai eu já mais corajoso, estava ouvindo francês a mais de uma hora e meia, decidi fazer uma pergunta, claro, quis me aparecer mais que o povo que estava perguntando em português (poucos perguntaram em francês), decidi me juntar a estes poucos e quis fazer a pergunta em francês, levantei a mão, ela escolheu outro, ok, depois da resposta, levantei a mão denovo e denovo ela escolheu outra pessoas… Bom, isso se repetiu umas 5 vezes, quando finalmente chegou minha vez, bom, ia fazer a pergunta em fracês no meio de um auditório com todo mundo olhando pra mim, então estava nervoso pra burro, sentado mesmo disse em francês à ela: “Eu sei que para vocês a parte federal do processo é rápida, mas para nós é muito lenta. Existe algum tipo de pressão do governo para tornar esta parte mais rápida ?”. Não sei se disse tudo corretamente, pois imediatamente após deu um branco e já não sabia mais o que tinha dito, mas os colegas falaram que não disse nenhuma asneira não !! Uhu !! Bom, a resposta foi a que eu esperava mas não a que eu queria, ela disse que não, pois o processo de São Paulo é um dos mais rápidos do mundo, que tem o tempo deles validades os antecedentes criminais, os exames médicos, e etc etc etc, e que São Paulo é muito rápido !!!
Acho que ela pensou: “Pô, aqui é o mais rápido do mundo e os caras ainda reclamam !!!” KKK Mas e a ansiedade !! Eu tinha que perguntar isso !! hehehehe…

Mas valeu pela atenção que eles nos deram, valeu por treinar o ouvido, apesar de saber que eles devem ter valado mais devagar que o comum, mas fiquei muito feliz de entender o que foi dito e ainda conseguir fazer uma pergunta, tudo em francês !!!

É isso…
Se eu esqueci de alguma coisa, quem foi me corrija para eu consertar o post !!!

Abraços

Posted in Canadá, Utilidades | Etiquetado: , | 3 Comments »

Aeroporto Internacional de Guarulhos

Posted by Jeison em 2 de novembro de 2009

air-canada

Calma,

Estivemos no aeroporto, mas infelizmente não foi para nos despedirmos de nossos familiares, não foi desta vez que embarcamos.
Fomos acompanhar a ida de uma amiga, a Ju, companheira de sonhos, que está neste momento realizando o seu !!!

O legal, é que não sentimos tristeza por alguém que está partindo, senti ansiedade, vontade de pegar o vôo seguinte para o mesmo destino, ela é claro, se emocionou bastante, mas tudo foi muito bacana, e na verdade foi um até daqui a pouco, já que logo estaremos nos encontrando por lá !!!

Chegamos cedo, e ficamos guardando lugar para ela na fila do Check-In, a Rebecca só queria ficar na janela do McDonalds vendo os aviões e ficar passando por baixo das fitas que separam as filas nos balcões, mas ela se comportou muito bem.

Air Canada 77W

A Ju fez o Check-In tranquilo, e eu sempre penso, as balanças de lá devem ser batizadas, é a única explicação, pois todo mundo pesa as malas antes, para ter certeza de não pagar sobre-peso, mas sempre dá a mais nas balanças do aeroporto, será que eles tem as únicas balanças calibradas e o resto que está errado ? Pois já ouvi inúmeros casos assim !!! Bom, c’est la vie !!!

 

Guardando lugar no Check-In da Air Canada

Tinha muita gente para pegar o vôo 091 da Air Canada (São Paulo – Toronto), e deram embarque imediato para a Ju, dessa forma, ela pode ficar pouquíssimo tempo conosco, em parte foi bom para ter uma despedida rápida, pois na hora de ir para a salinha reservada ela já não conseguiu mais segurar a emoção !!

Hoje nos falamos pelo MSN, chegou bem, e deu tudo certo no trajeto, no landing e na conexão até Montréal. Ainda cansada da longa viagem, mas muito contente !!!

Ju e os irmãos

Ju e os irmãos

Agora a pior parte é que já estávamos ansiosos, com essa ida ao aeroporto, a ansiedade chegou à estratosfera, mas ainda temos que viver e trabalhar por mais seis meses aqui, então, é melhor nos segurarmos !!! hehehehe… Mas que o desejo era de embarcar no próximo vôo era sim !!!

Agora o mistério, quem será o próximo ?? Paty e Caca ?? Felipe e Nayara ?? Daniela ?? Alguém vai encarar o inverno ?? ai ai ai… Ainda vamos levar alguém no aeroporto ou seremos levados ??

Ju deixando o Brasil

Ju deixando o Brasil

Não da pra dizer que a ficha caiu totalmente, mas a cada dia que passa dá pra ter a noção que a coisa tá ficando mais e mais séria, o sonho vai ficando palpável e já dá pra planejar algumas coisas…

Saudade da familia ainda não dá pra sentir, ainda estão muito presentes, e o sentimento de despedida ainda não chegou, mas está claro que precisamos passar mais tempo com eles, a Rebecca principalmente, mas tenho certeza que voltaremos sempre para visitar, e quero que meus pais e irmãos, assim como os da Susana vão nos visitar no Canadá, passar umas férias no frio para sentir um pouco as mudanças que teremos em nossas vidas.

Não é em guarulhos, mas bem que poderia ser e nós estarmos dentro dele !!! Ai ai ai ansiedade que mata !!!! Segue uns videozinhos para ilustrar nossa vontade !!


À bientôt mes amis !!!

Posted in Canadá | Etiquetado: , , , | 12 Comments »