Su & Je

As aventuras de uma família de imigrantes vivendo no Canadá

Posts Tagged ‘Ansiedade’

Nascimento da Brigitte, o susto

Posted by Jeison em 17 de dezembro de 2011

Bom, tudo começou ontem (16/dez) às 6:30 da manhã quando a bolsa rompeu. Acordamos no susto, nos trocamos, fiquei andando no apartamento de um lado pro outro por alguns instantes que nem uma barata tonta até que acordei e fomos pro hospital. Apesar de toda perda de tempo, chegamos em tempo recorde, antes das 7 já tínhamos entrado.

As enfermeiras nos acolheram e fizeram alguns exames de triagem, tudo certo, batimentos ok e não estava em trabalho de parto, 10% de dilatação e não tinha nada pra se preocupar.

Depois de um certo tempo, fomos levados até um quarto de parto, que é quase como um quarto comum, a única diferença é que tem uns aparelhos a mais.

Alguns médicos residentes e enfermeiras vieram fazer o acompanhamento entre o período que chegamos até o inicio da tarde. O acompanhamento foi feito bem de perto e em nenhum momento nos sentimos jogados ou coisa assim.

Por volta das 13 horas, a medica da Su mesmo, veio dar uma olhada, e resolveu que a Su deveria se levantar e andar para estimular a dilatação que até o momento era praticamente a mesma coisa, em torno de 15%.

Passamos o resto da tarde andando nos corredores e fazendo exercícios em cima de uma bola do playcenter…
Quando a Su cansava, deitava um pouco e descansava, tínhamos certeza que estava fazendo efeito, pois ela já sentia mais dores, pressão e as contrações estavam mais intensas. As 19 horas mais ou menos, a enfermeira fez o exame e nos disse que ainda estava em 15% de dilatação, e isso foi uma bomba pra Su, pois ela queria muito o parto normal, desanimou total e queria deitar, mas convenci ela de dar mais uma volta no corredor, mas ela não conseguiu ir longe por causa da dor e voltamos pro quarto. A enfermeira veio e decidiu recolocar os monitores (batimentos do bebe, e contrações) na Su por mais meia hora enquanto ela ficava deitada.

Por volta das 20 horas, quando a enfermeira voltou, tomamos um susto, pois as contrações estavam muito mais rítmicas, intensas e menos espaçadas, após um novo exame, a ótima noticia, 30% de dilatação !!

Com a esperança renovada, ficamos lá no quarto, mas a Su não agüentou as dores intensas por muito mais tempo, e a enfermeira percebeu que ela estava prestes a desistir e lhe ofereceu para tomar a epidural. Depois de ir atras da anestesista e preparar para o procedimento, a anestesia foi aplicada por volta das 22 horas, e em poucos minutos seu efeito acabou com o sofrimento da Su, que pode relaxar e deixar as contrações fazerem seu efeito, dilatar o colo. Desse momento em diante, a enfermeira se instalou no quarto, e ficou monitora do a Su e o bebe 100% do tempo. Perto das 23, tínhamos atingido a marca dos 40% de dilatação.

A meia noite a enfermeira me perguntou se eu não queria um colchão para poder deitar um pouco, mas eu disse que não precisava, estava tudo bem. Fiquei tentando dormir na poltrona mesmo, mas por volta de meia noite e meia, ela me ofereceu novamente, e cansado do jeito que estava, aceitei.
Um pouco depois, a enfermeira saiu pra buscar o colchão, e nesse intervalo a Su teve vontade de vomitar, mas nem tive tempo de buscar a bacia no banheiro, ela vomitou deitada em cima dela mesma, e nesse momento começou nossos problemas sem que soubéssemos. Voltei com a bacia e a Su terminou de vomitar lá, mas já estava toda suja. Nesse momento voltou a enfermeira e começou a me ajudar a limpar a Su, mas de repente ela percebeu algo que não tínhamos percebido, que os batimentos cardíacos da Brigitte caíram de 150 bpm para míseros 70 bpm. Ela começou desesperadamente mudar a posição do sensor para assegurar-se que não era um erro de leitura. A freqüência cardíaca não mudou, e já em uma espécie de desespero controlado, ela gritou por socorro no corredor, soou o alarme das enfermeiras, ligou para não sei quem, e começou a gritar com varias enfermeiras para achar a doutor e chamar a equipe cardíaca. Nesse ponto, imaginem a mi há cara, que até então não tinha visto que tinha um problema com os batimentos dela, que a dois segundos, estávamos apenas limpando um simples e inofensivo vomito, que em dois segundos estava todo um carnaval montado e já com a maca saindo do quarto com um mínimo de dez enfermeiras andando em zigue-zague cruzado invertido como formigas após serem atingidas por um inseticida. Só entendia que algo muito grave estava acontecendo e que estávamos correndo em direção ao que imaginava ser o centro cirúrgico ao encontro da equipe cardíaca.
Obviamente, fui barrado na porta, uma das enfermeiras me disse pra esperar que elas me chamariam pra entrar na hora certa, eu só consegui escutar as vinte pessoas que entraram correndo na sala, batendo suas cabeças, derrubando coisas no chão, e falando todos ao mesmo tempo. Eu fiquei apenas congelado na porta do corredor, tentando escutar algo que me desse uma pista do que acontecera quando uma enfermeira me mandou tirar o pé da porta para que ela fechasse ao mesmo tempo que eu via de relance que a sala que levaram ela era uma sala de cesárea e o silencio total que havia se instaurado foi quebrado por mais cinco loucas que adentraram ao mesmo tempo que tentavam se vestir e o silencio retornou.

Acho que fiquei esperando umas oito horas nos cinco minutos seguintes até que uma enfermeira saiu para me dizer que eu ainda não podia entrar, mas que a bebe estava nascida e bem, assim como a mãe, e que em breve eu poderia entrar.

Bom, lá dentro encontrei a Brigitte já no bercinho aquecido fiquei alguns segundos admirando ela, quando a enfermeira me pediu para cortar o excesso de cordão, ok… Quando me viro pra Susana ela estava lá aberta em cima da mesa, com três médicos mexendo dentro dela, tendo uma espécie de convulsão, sim isso mesmo, ela estava tremendo tão forte que chegava a balançar a mesa de cirurgia, e aqui dou minha palavra que estou relatando o fato observado sem exagero algum, era exatamente essa cena na minha frente. Eles disseram apenas: ignore isso, é normal a anestesia provoca isso e vai logo passar. Normal?? Bom, nessa altura do campeonato, decidi ignorar sem maus perguntas…

Terminado isso, fiquei mais uns 10 minutos na sala, me deram ela ora segurar e depois mostraram pra Susana, só não deram pra ela segurar pois se dessem um copo de creme de leite pra ela segurar, viraria Chantilly.
Fui com a Brigitte para a observação, onde ela ficaria umas duas horas ainda, depois fiquei com a Su na recuperação da anestesia antes de irmos para o quarto lá pelas 3:30.

Bom, a história do nascimento foi essa, resumidamente, depois voltarei aqui para contar da parte burocrática, documentos, etc…

Mãe e filha estão bem, nasceu as 00:56 com 3,935 kgs e 52 cm.

Abraços e até breve

20111217-195507.jpg

Anúncios

Posted in Canadá, Jeison, Susana | Etiquetado: , , , , | 16 Comments »

Mudança – II

Posted by Jeison em 25 de julho de 2011

(*) Este texto segue o padrão do Alexei de auto tradução. (Palavras em azul são tão comuns que aqui acabamos as incorporando na nossa fala, mesmo em português!)

Bom,

Como os mais próximos já sabem, nossas expectativas se confirmaram e vamos realmente nos mudar agora, mais precisamente entre esta sexta e sábado. (Não, não vamos passar a noite fazendo mudança, mas para não fazermos tudo corrido vamos provavelmente mudar algumas coisas na sexta final da tarde e o resto no sábado pela manhã).

Origem / Novo destino

Estamos saindo de uma região chamada «Point de Sainte-Foy» e vamos nos mudar para outra que se chama «Beauport». Ambas fazem parte da cidade de Québec, mas ficam em extremidades opostas (ver mapa).

Porque lá e não aqui: Bom, achar apartamento “bom” aqui é um garimpo, tem que ficar correndo atras de anúncios, fazendo visitas, e tem que dar resposta quase que imediata, pois as coisas acontecem rápido, enquanto você vai pensar, vem outro e fecha o negocio. Bom, inicialmente iríamos ficar na região de Sainte-Foy mesmo, mas todos os apartamentos que fomos ver que tinham preços que podíamos colocar em nosso orçamento eram muito velhos ou mal cuidados. Os que achávamos bons, o aluguel já era para mais de mil, mil e duzentos dólares por mês, caro de mais para nossa atual condição. Soubemos então de um casal de brasileiros que tinham acabado de comprar um imóvel e iriam liberar um apartamento (que já conhecíamos de um encontro que teve na casa deles) e decidimos ir lá conferir. O apartamento é novo (2009) e todo (entenda-se: piso e teto) em concreto/beton e é bem perto do meu trabalho. No mesmo dia, fomos ver um em Ste-Foy(*) mesmo, bem espaçoso, mas a Susana preferiu ficar com este de Beauport, afinal, ela não pretende sair mais tanto de casa nos próximos 12 meses por causa do novo bebê, e ficará mais fácil para chegarmos na creche/garderie da Rebecca e no meu trabalho.

Obs.: Ste é abreviação de Sainte que é o feminino de Saint (sem o «e» no final) que tem como abreviação «St» que é São, Santo. Então morávamos no bairro que São Foy, seja lá o que Foy signifique !!!  kkk

Estamos bem ansiosos com a mudança. O apartamento é um 4 1/2 grande, que quer dizer quatro cômodos mais um meio que é o banheiro. Sala, cozinha, dois quartos e banheiro, tudo bem novinho, muitos armários e ainda temos direito a um cabanon/barracão para guardar algumas bagunças. Esse barracão é bem comum por aqui, ele substitui o espaço de remise/locker/cave/quartinho que nos prédios costumam ficar na garagem no sub-solo (Algo parecido com essa imagem do link.). O apartamento não chega a ser um demi sous-sol/meio sub-solo, onde tem janelas bem estreitas e em pouca quantidade, ele na verdade está abaixo do nivel do chão, mas muito pouco 1/3, então as janelas são de tamanho normal, temos muitas janelas, e inclusive uma janela no banheiro, o que é uma raridade por aqui !!  Postarei fotos semana que vem !!

Mudança por aqui é uma aventura a parte, uma boa parta das pessoas fazem a mudança elas mesmas, nada de contratar empresas, etc etc… Tem quem contrate, não são poucos, mas acho que a auto-mudança é mais comum !
Nós faremos parte da parcela que mudará por conta e risco próprios.
Nessa turma, tem os que colocam tudo no porta-malas do carro (se tiver um carrão, no sentido de tamanho mesmo), tem os que colocam tudo no reboque, tem os que alugam um trailler que parece um caminhãozinho fechado de tão grandes, e tem os que como eu, alugam realmente um caminhão para o grande dia !
No site da empresa que alugamos o caminhão diz que não precisamos ter nenhuma carteira de habilitação especial para conduzir caminhões, pois os caminhões de aluguel não são considerados veiculos comerciais !!! Vai entender essas leis daqui !!! Enfim, é bem legal mudar, alugamos nosso belo caminhão (detalhe: à gasolina, 6 cilindros com cambio automático, bebe mais que nosso famoso ex-presidente !!!), alugamos também um carrinho para carregar os eletrodomésticos, e depois temos que intimar os amigos que serão nossos ajudantes de mudança simplesmente jogando na cara deles que nós já ajudamos na mudança deles e oferecendo nada mais que um pouco de cerveja quente após todo árduo esforço, afinal, a geladeira foi desligada na noite anterior !!! huahuahau

Brincadeiras a parte, é um momento bem legal, onde encontramos os amigos, fazemos brincadeiras, quebramos alguns móveis para termos desculpa para comprarmos outros novos e passamos um belo sábado cansativo, mas ao mesmo tempo bem agradável.

Coisas importantes para se lembrar quando for mudar:

  • Reserva do caminhão foi confirmada ?
  • Alterou seu endereço em todos os serviços públicos, cartões, bancos, etc ??
  • Alterou sua apólice do seguro habitação ?
  • Pegou as chaves do novo apartamento ?
  • Contratou o serviço dos correios de troca de endereço ou avisou o novo inquilino para guardar suas correspondências ?
  • Tem caixas e fitas suficiente para embalar tudo que precisa ?
  • Lembrou de marcar o que tem e para qual cômodo vai cada caixa ?
  • Não comprar nada de geladeira nos 15 dias que antecedem a mudança (exceto o essencial);
  • Desligar a geladeira na noite anterior, se possível !

Faremos goiabinhas (beliscões) para nossos amigos Mariane e Richard para compensarmos um pequeno incidente do final de semana (joguei um freesbie à 20 metros de altura e caiu direto na cabeça dela!!!) que serão servidas no sábado para todos os presentes na mudança, então caso a mudança em si não os tenham animado a comparecer, usaremos as goiabinhas como forma de pressionarmos os amigos indecisos, mas terão que fazer força para ter direito à comer !!! Ok, exceto as meninas !!

Bom, abraços e desde já agradeço os que vão nos ajudar !!! Semana que vem falo mais de nossa aventura !!

Posted in Canadá, Jeison, Pessoal, Susana | Etiquetado: , , , , , | 5 Comments »

Mudança

Posted by Jeison em 9 de julho de 2011

Olá…

Hoje um casal de namorados passou pela segunda vez aqui em casa, se interessaram muito pelo apartamento e assinaram a proposta para locação do apê. Segundo a imobiliária, teremos uma resposta talvez na quinta feira ou mais tardar semana que vem. Isso é uma boa notícia, pois andava bem angustiado com essa história de mudança, pois achamos um ótimo apartamento, mas o proprietário exigiu uma prova de que conseguimos nos desvincular de nosso atual aluguel !

Se tudo for positivo, devemos nos mudar na virada do mês para um belo apartamento 4 1/2 (dois quartos, sala, cozinha e banheiro) bem espaçoso e bem novinho. Como todo mundo deve saber, hoje moramos em um 3 1/2, o que quer dizer que temos apenas um quarto, que para mim, pra Susana e Rebecca está de bom tamanho até o momento, mas com a noticia da chegada de nosso primeiro canadensezinho(a), dois quartos é mais do que necessário. Logo logo falo da novela de alugar caminhão, convocar exército de amigos para ajudar, comprar coisas novas para a casa nova, etc etc etc…

Outra mudança que está ocorrendo é no meu trabalho, pois assumi um novo posto dentro do projeto que tenho atuado, com mais responsabilidades e mais comprometimento, estarei mais em contato com os quebekas e isso me ajudará muito no francês, mas terei que deixar um outro projeto que também estava atuando e gostava muito para estar 100% nessa nova empreitada.

O clima também está de mudança, tanto aqui quanto no Brasil, falando com meus pais soube que o Brasil está passando por uns dos invernos mais frios das últimas décadas, e esse ano aqui em Québec, o verão está bem fraquinho se compararmos com o ano passado, que foi insuportavelmente quente e abafado(29 a 33 graus). Esse ano temos pego temperaturas entre 24 e 28 graus, e não estamos tendo nenhum problema quanto a isso. Eu particularmente estou achando ótimo que não está tão quente, mas resta saber-se como será o inverno, há lendas que dizem que quando o verão é rigoroso o inverno também, mas estou achando que essa lenda pode estar um pouco invertida, pois não pegamos um inverno rigoroso ano passado… Bom, em alguns meses saberemos !!

Abraços !!

Posted in Canadá, Jeison, Pessoal, Susana | Etiquetado: , , , | 2 Comments »

Permis de Conduire – SAAQ – Parte II

Posted by Jeison em 15 de junho de 2010

Hoje foi o meu exame prático, ou exame de rua da SAAQ para poder obter a permis de conduire québécoise.

Como alguns sabem, aqui é bem complicado conseguir uma vaga pra fazer o exame prático, tem muita gente pra fazer !!! Eu não consegui utilizar o serviço online para marcar o teste, vinha sempre uma mensagem solicitando fazer por telefone, então assim foi. A atendente pergunta alguns dados, confere algumas coisas e te passa a data mais próxima para o exame.

Eu tentei marcar aqui em Montréal ou arredores, mas só tinha vaga pro final de julho, quando a minha permissão pra dirigir estaria terminando, pois só é válida por 90 dias. Tentei marcar também em Québec ou arredores, mas o problema de superlotação foi o mesmo. Expliquei para ela que eu precisava fazer antes, pois minha permissão iria expirar e eu tinha que fazer a minha mudança (sim, aqui você mesmo faz a sua mudança, aluga o caminhão, coloca as coisas dentro, dirige o caminhão e depois descarrega tudo), e eu disse também que poderia fazer em alguma cidade do interior se fosse o caso. E foi exatamente isso que ela sugeriu, em Drumondville tinha vagas para o dia 15 de junho. Essa cidade fica a 1/3 do caminho de Montréal a Québec.

Alguns amigos, sugeriram ficar ligando diariamente pois sempre há desistências e eu poderia fazer aqui perto, mas como eu estaria em Québec para buscar os amigos Roberto e Maristela no aeroporto, eu decidi fazer em Drumondville mesmo.

O exame estava marcado para as 13:00, então as 11:00 saimos de Québec, e chegamos lá por volta das 12:30, paramos no McDonald’s pra comer, mas não tive tempo de terminar, deixei a Susana e a Rebecca lá para brincarem nos brinquedos e fui só fazer o exame.

Entrei, peguei a senha e logo fui chamado, a atendente solicitou meu passaporte e a carteirinha que eu recebi pra fazer o exame, perguntou com que carro eu faria o exame, e depois que eu disse que seria com o meu carro, me pediu a matrícula do carro e a do seguro, depois paguei com cartão de débito a taxa de $25 para a realização do exame, ela me devolveu o passaporte e reteve os outros, pediu para eu pegar um domo e colocar em cima do carro e depois aguardar ser chamado pelo nome. Esse domo é uma placa, como se fosse de taxista, mas escrito Exame de Condução. Acho de depois de uns 10 minutos, aparece uma mulher me chamando pelo nome, pergunta se eu já tinha colocado o domo sobre o carro e nos dirigimos para o estacionamento, ela solicita algo que eu tinha entendido apenas “entrar no carro” e “eu farei uma vistoria“, bom, eu completei a frase com: destranque o carro para eu entrar no carro e eu farei uma vistoria. Eu destranquei  o carro e abri a porta e fiquei esperando ela vistoriar, ai ela que ficou parada feito uma estátua na frente do carro gesticulou algo como “estou esperando você fazer o que eu lhe pedi” e eu tive que ir até ela, pedir desculpas que eu não havia compreendido bem, na verdade era: Entre no carro, ligue o carro que ela faria uma vistoria. Ok, entrei, liguei o carro e fiquei olhando pra ela, que gesticulou para eu abrir o vidro.

Vidro aberto, ela diz, clignotante à gauche, seta à esquerda, depois a direita, depois pequena buzinada, ai ela vai para a traseira do carro, e denovo, esquerda, direita, freio. Ok, ela entra no banco do passageiro, arrasta o banco lá pra tras, e pede:
– O senhor pode deixar este saquinho no banco traseiro pelo menos por hoje ?
– Claro, desculpe…
Tenho o costume de deixar um saquinho preso a alavanca de cambio como lixinho…  Pensei, mas que fresca ela viu !!!
Ela prende um espelho pra ela no para-sol dela e começa a falar um monte de coisas, que a pontuação mínima é de 75 pontos, que ela irá anotar coisas durante o trajeto mas que não necessariamente significam coisas ruins, que o percurso duraria uns 12 quarteirões, que ela iria observar muito os vícios ao volante para eu ficar muito atento a isto, perguntou se eu sabia o que ela ponto cego ou ponto morto (eu não tinha entendido a pergunta e ela teve que repetir) eu confirmei, ai ela virou bem a cabeça pra traz e disse, é assim que eu quero ver você fazendo, vou prestar atenção nisto. Diz que este horário tem muitos pedestres, ciclistas e etc que tem prioridade, e que seria avaliada minha atenção a isto. Ela diz que vai falar muito pouco durante o teste para não tirar minha concentração, que só interviria caso eu colocasse a segurança em risco fosse atropelar alguém (ao menos foi o que eu entendi) e  poderiamos começar o teste.

Ela coloca o cinto e diz, pode sair da vaga e ir para a esquerda.
O carro já estava ligado desde a seta pra esquerda direita, etc, então só engatei a ré, mão atras do encosto de cabeça dela, olha com a cabeça (retrovisor é peça obsoleta) pra tras  e casal de velhos atravessando bem devagar bem atars do meu carro, outro casal conversando encostado no carro ao lado bem onde vou passar. Carambolas seus pietons/pedestres *^!@%%$!*@ não estão vendo que estou fazendo um teste de volante e que minha vida depende disto ???
Casal de idosos passaram, outro casal nem se mexeu, começo a dar ré e o carro morre, olho pro painel, ar condicionado ligado..  grrrrrrrr, digo, Ops, acho melhor desligar isto…  hehehe… (risada amarela, bem amarela mesmo) continuo dando ré e saio da vaga, e ela me diz, vire a esquerda, seta, para olha se não tem mais nenhum casal amável que quer atravessar na frente de um motorista estressado por estar passando por um teste de volante, e pronto, vamos em direção a saída do estacionamento da SAAQ.
Vire a direita na esquina: Seta, olha pra lá, pra cá, não tem nenhum arrêt/placa de pare, e viro a direita, não tem placa de limite de velocidade, rua estreita, então deve ser 30 km/h.
Vire a direita na próxima esquina: Seta pra direita, agora tem um arrêt, tem que parar mesmo, olhar pros lados, engatar, olhar o angulo morto, e depois vai.
No farol, vire a esquerda: Ok, estou na faixa da direita, tenho poucos metros até o farol, tenho que trocar de faixa, vamos lá: retrovisor central, espelho esquerdo, angulo morto esquerdo, ai, o farol está chegando, seta, retrovisor central, espelho esquerdo, angulo morto esquerdo tudo denovo, muda de faixa, ufa, deu tempo… desliga seta, liga seta, chegamos no farol, espera ficar verde.
O senhor parou muito perto do carro da frente, eu te aconselho a parar a uma distância que consiga ver o pneu do carro da frente. Mas daqui eu consigo ver o pneu do carro da frente…  Mas se precisar não consegue sair desta faixa sem dar ré, deixe mais espaço, mas é só um conselho… É verdade, obrigado…
Farol ficou verde, virei a esquerda, placa de 50 km/h, acelero mais um pouco para não tomar xingo de estar andando devagar demais e atrapalhar o transito, dica do Alexei, valeu !! Passa uma esquina, duas, tres, e nada dela abrir a boca, o que significa, continue em frente… Na quarta esquina, vimos um giroflex de policia, e ela diz: O que será que aconteceu, ao chegarmos, eu disse, um acidente, bem forte… Um civic novinho tinha acabado com a frente dele na traseira do que parecia ser um subaru, que perdeu seu porta malas… Seguimos por mais duas esquina, depois vire a esquerda, direita, e assim vai, ela me fez passar por 2 vezes sobre uma pista de ciclistas, não me mandou entrar em nenhuma rua contramão, o que as vezes eles fazem pra testar se você tem visto as placas, sempre que eu tinha dúvida eu confirmava, é aqui que é pra entrar ?? Sim, é aqui, ou não, é na próxima…
Fim do percurso, ela diz, pare ao lado daquele carro vermelho, de ré.
Manobra efetuada, desliguei o carro e ela pergunta algo que eu não entendi, mas supus que deveria ser algo como, e ai, como você acha que foi o seu teste? Óbvio que só respondi que não sabia… Ai ela diz que eu tenho poucas palavras. Pensamento: Mas que diachos ela tinha perguntado então ??

Bom, ela começa a me dizer: Tanto quando saiu da vaga quando quando retornamos, você esqueceu da seta… quando entrou na vaga, não centralizou bem o carro… Depois que disse para não parar tão próximo do carro da frente você ainda o fez por duas vezes (Pensamento: Mas que coisa, não era só um conselho ??  grrrrr)… Você olhou bem o ponto morto (Pensamento: Uebaaa), mas não foi constante, esqueceu de olhar algumas vezes, e outras olhou antes do retrovisor e outras deu a seta muito tarde (Pensamento: grrrrr…)…

O senhor fez 78 pontos e leve o domo para dentro, e aguarde para tirar a foto.

Donc je réussi/Então eu obtive sucesso ???  “Alguma coisa indecifrável” 78 pontos, tenha um bom dia… Ela sai do carro…

Eu tiro o domo e levo pra onde eu o peguei, e fiquei esperando e pensando… É aqui que eu espero ?? Eu passei?? Acho que sim, se eu fiz 78 pontos, eu passei… Eu preciso de água,  cade o bebedouro ?? Estou no lugar certo ??

Achei o bebedouro e esperei mais uns 10 minutos, e o cara me chama.

– Qual o seu endereço ?
– Qual endereço você prefere, eu vou me mudar, quer o endereço atual ou o novo ?
– Quando o senhor vai se mudar ?
– Em 15 dias, no fim deste mês.
– Então quero o atual, sua carta chegará em até 6 dias. (Pensamento, Yes, eu passei!!!! Ou então Yaba Daba Doo !!!)
– Acho que é o mesmo que o senhor tem ai, 5295 avenue Louis-Jos### (sou interrompido)
– Perfeito, são 72 alguma coisa dolares, como o senhor vai pagar ??
– Cartão de crédito ou de débito.
– Débito, pode passar o cartão.
– Aqui estão seus documentos, em 6 dias chegará a sua carta de habilitação, tenha um bom dia.
– Obrigado (pegando um monte de papeis, liberando o balcão, tentando guardar os papeis e eles tentando cair no chão, tudo ao mesmo tempo…)

Esse foi meu teste, acho que se eu tivesse feito mais uma infraçãosinha, não teria passado, fiz 78 precisando de 75…

Com isso me livro de mais um enorme peso nas costas, e já posso dormir tranquilo. Agora, posso fazer a minha mudança tranquilamente…

Isso é assunto pra outro post… E por falar em post, este aqui é o de numero 101 !!! Obrigado a todos que nos acompanham

Até breve…

Posted in Canadá, Jeison, Pessoal | Etiquetado: , , , , , | 4 Comments »

Nous arrivons

Posted by Jeison em 30 de abril de 2010

Bom pessoal,

Imagino que todos estão ansiosos por notícias, mas antes, quero agradecer a todos que nos deixaram mensagem em nosso blog, no nosso orkut, por e-mail, enfim, recebemos muitas mensagens de carinho, nos desejando felicidades, e várias dicas. Nós estamos desde a saída do Brasil com acesso limitado à internet, por isso não pudemos responder todos, e mesmo agora com acesso pleno à internet, não conseguiremos responder individualmente como costumo fazer, afinal, são muitas mensagens. Ainda estamos nos arrumando e há muito à fazer, mas gostaria de agradecer de uma forma geral a todos vocês, nos deixaram muito felizes mesmo !!!   Merci beaucoup…

Hoje já completa 5 dias em Motréal, e as vezes ainda não acredito que estou aqui. Em 5 dias aconteceu muita coisa, e vai ficar complicado resumir em um único post tudo que se passou nos detalhes, então, vou dar só um overview e depois coloco alguns posts com mais detalhes.

Aeroporto internacional Ezeiza em Buenos Aires

Vou falar um pouco hoje sobre o nosso voo.

Bem, como sabem, passamos 4 dias em Buenos Aires, ficamos no hotel Ibis perto do congresso, muito bom, recomendo aos que forem pra lá. Saímos de Buenos Aires no sábado passado (24/04), embarcando no voo Air Canadá 093 com uma parada em Santiago no Chile, chegamos cedo no aeroporto, pouco antes do meio dia, e o check-in ainda não tinha nem começado, ficamos no saguão esperando. O voo estava programado para sair as 15:50 e o check-in abriu as 12:30 mais ou menos, e a Su tadinha, teve que empurrar os dois carrinhos sozinha pra fila do check-in, pois bem nessa hora eu tinha ido ao banheiro… Mas ainda bem que ela não me esperou pra entrar na fila, pois dessa forma fomos um dos primeiros a fazer o check-in e já ficamos liberados. Troquei o resto de pesos que sobrou por dolar americanos mesmo e fomos comer um McDonalds  antes do embarque.

Painel da poltrona

As 15:00 fomos liberados para entrar na área de embarque, e foi tudo muito tranquilo e rápido, essa primeira perna é bem tranquila, cerca de 2 horas de voo entre B.A. e Santiago, e com uma vista linda da cordilheira dos andes. Pra quem não conhece, esses aviões tem paineis individuais nas poltronas, onde você escolhe o que quer ver, entre filmes, tv, músicas, mapas, estado do voo, etc…

No Chile, foi uma parada bem rápida, eles solicitaram que descêssemos da aeronave carregando todas as bagagens de mão, deu tempo de descermos, demos a volta no saguão e pegamos a fila do raio-x, tivemos que passar as nossas bagagens novamente pelo aparelho e já fomos liberados para entrar na aeronave novamente. Eles trocaram a tripulação e colocaram travesseiros e cobertores nas poltronas, a aeronave decolou ao por do sol com destino a Toronto, desse momento em diante já sentimos a diferença, pois todos os anuncios do piloto e tripulação não eram mais em espanhol, e sim em inglês e em francês.

Painel da poltrona II

Foi um voo bem longo, e a Rebecca dormiu quase que a viagem toda, o que foi muito bom, mas ao mesmo tempo, ela ocupou 1/3 da minha poltrona e da Su, o que  nos deixou um pouco desconfortáveis, o que nos permitiu apenas alguns momentos de cochilo.

Chegamos em Toronto 06:15  de Brasilia ou 04:15 horário Chile, mas foi bem confuso entender isso, pois eles falavam um horário nos auto-falantes do avião, meu relógio tava outro, no painel outro, e eu não sabia que horas eram, e estava já preocupado com a nossa carona, pois não sabia que horário chegaríamos em Montréal, mas tínhamos primeiro que passar pela imigração.

Digo que foi mega tranquilo, descemos da aeronave e fomos em fila, maria vai com as outras. Andamos muito por várias esteiras, e chegamos numa área onde pediram os passaportes e nos encaminharam para uma salinha, que tinha uma fila com dois na nossa frente, fomos chamados rapidamente, e pegamos uma atendente bem simpática, que foi nos pedindo informações (em inglês), como valores que estávamos portando, onde ficaríamos, telefones que tínhamos de pessoas no Canadá, assinamos os formulários, e ela nos deu mais um monte de informações, que por conta do nervosismo e outras preocupações eu não consegui absorver muita coisa, só queria sair logo dessa etapa. Depois do welcome to Canadá ainda passamos por mais um guichê onde tinha uns caras enormes super arrogantes, que perguntaram se eu iria trazer mais coisas ou dinheiro, e eu disse que sim, dinheiro da venda do carro mas não sabia quando e que a quantia era inferior aos dez mil dolares, e a anta disse que eu deveria ter declarado, e blá blá blá, só pra dar sermão, pois no formulário diz explicitamente para só declarar valores acima de dez mil. Finalmente pudemos passar para a área onde pegamos as bagagens, e respondendo a minha própria dúvida, sim, os carrinhos de bagagens em Toronto são pagos, mas felizmente, além das moedas, eles aceitam cartão de crédito, é tudo automático, passa o cartão e já pode pegar o carrinho. Pegamos dois e fomos pra área de conexões, que é apenas uma esteira, praticamente sem ninguém olhando, onde você apenas põe suas malas e torce pra que elas entrem no mesmo avião que você. Tomamos um café no Tim Hortons e fomos para o portão, o embarque no pequeno Embraer foi bem tranquilo e ficamos surpresos pois a aeronave oferecia o mesmo conforto do 767.

Foi um voo super rápido, cerca de uma hora e já estávamos pousando em Montréal, fomos rapidamente pegar as bagagens, pois não tínhamos mais que passar por nenhum gichê, afinal, já era um voo doméstico. E por sorte, todas as 5 malas foram aparecendo uma a uma na esteira, ainda bem. Na minha cabeça já estava pensando que ficaríamos mais de uma hora esperando nossa carona, isso devido a confusão de fuso-horários que eu fiz, mas para nossa surpresa, enquanto a Su estava no banheiro, um rapaz simpático se apresentou, era o Alcides que veio nos buscar no aeroporto e já estava nos esperando.

O domingo foi maravilhoso, chegamos, fomos recepcionados, depois ele nos levou de carro pra casa deles, a companheira dele, Cristiana,  tinha preparado um café da manhã, que só posso chamar de espetacular, e depois deste café maravilhoso e muita conversa, fomos levados pro Ikea, onde compramos nossa cama, colchão, travesseiros para nossa primeira noite. Eles nos ajudaram a trazer as malas e as compras até o nosso apê e nos ajudaram a montar a cama… Conversamos mais um pouco, pegamos algumas dicas aqui da região de Rosemont, onde fazer as comprinhas básicas, ganhamos macarrão e molho de tomate para fazermos na nossa primeira noite e nos despedimos… Ficamos admirando nosso apê, depois fizemos o macarrão e fomos dormir, lembro que ainda estava sol, acho que não eram nem 19 horas ainda, e só sei que acordamos na segunda e já estava sol denovo, nem vimos a noite passar, dormimos mais de 12 horas seguidas…

Bom, é isso… Fim do nosso primeiro dia em Montréal, depois conto o resto.

Pra acompanhar, algumas fotinhos, e para mais fotos, acessem: http://picasaweb.google.com/jeison.e.susana

Abraços a todos, amanhã tem mais !!!

Boeing 767 Air Canadá

Chamada no painel

Interior do 767

Interior do 767 II

Vista da Cordilheira dos Andes

Sobrevoando próximo à Montréal

Primeira refeição

Posted in Canadá, Jeison, Pessoal | Etiquetado: , , , , | 14 Comments »